A política de Ribeirão se acostumou a lidar o preço e por isso tem dificuldade de compreender o valor

Por Samuel Boss
Acompanho a política regional há quase dez anos, e é natural que circule nos bastidores político que “esse” ou “aquele” jornalista é mais alinhado politicamente com um prefeito ou vereador, mas nada se compara a cidade de Ribeirão Pires.
Me parece que a classe política se acostumou a lidar com preços: venda e compra, porém, desconhecem o sentido da palavra “valor”.
Culturalmente os políticos tentam se alinhar positivamente com a imprensa local, pois, não querem problema com matérias negativas circulando pelas ruas da cidade. Há quem se entregue ao modus operandis e fecham tal parceria.
Eu passei dois anos na cidade e nunca conversei sobre isso com qualquer vereador.
Mas independente de conversar ou não, a mente do político de Ribeirão já está treinada a julgar quando vê uma matéria sobre um concorrente ou adversário em algum veículo e afirma: “tá recebendo com certeza”.
Os que afirmam, sãos os mesmos que pagam. Os que julgam, são os mesmos que utilizam dessa prática para se autoenganar. Nem todo mundo está a venda, nem toda imprensa quer tratar notícia como negócio.
Comemoro o fato de não ter “negócio” com nenhum deles. Comemoro o fato que o único dono da minha opinião seja a minha própria consciência. Tenho amizades estreitas com muitos políticos, tenho pensamentos convergentes com muitos quadros, mas não tenho nota fiscal para manchete ou artigo.
Prefiro manter o valor do que estabelecer o preço.