Corintianos farão vigília pela democracia após censura à camisa de Marielle

Um grupo de torcedores do Corinthians fará uma “vigília pela democracia” na próxima sexta-feira à noite (2), no Parque São Jorge. O evento foi marcado após a retirada de uma camisa do memorial do clube com menção ao assassinato da deputada Marielle Franco.

Segundo o grupo intitulado de Coletivo Democracia Corinthiana (CDC), a ideia é mostrar o “DNA corinthiano, expresso na mobilização de Doutor Sócrates e outros membros na vitoriosa luta contra a Ditadura Militar”.

Ontem (30), o clube decidiu retirar uma peça da exposição sobre a história do basquete corintiano. A camisa foi usada pelo ex-armador Gustavinho, campeão da Liga Ouro de 2018 em junho do ano passado, três meses depois da morte de Marielle no Rio de Janeiro.

Após a decisão do campeonato que deu vaga no NBB, Gustavinho apareceu com uma camiseta escrito “Quem Matou Marielle?” no momento que subiu ao pódio para receber premiações.

Mais de um ano depois, a peça de roupa foi doada ao memorial do clube e virou pivô de grande polêmica nos bastidores. Um grupo de 25 conselheiros eleitos pela chapa “Fiéis Escudeiros”, a segunda mais votada para o Conselho Deliberativo do clube com 274 votos, em fevereiro do ano passado, pediu a retirada da peça do memorial.

A diretoria, horas depois, acatou. O discurso é de que a camisa não foi usada na partida, ao contrário dos outros itens em exposição.

Dias antes da polêmica, ex-jogadores da Democracia Corinthiana decidiram fazer uma homenagem ao movimento da década de 1980. Com Casagrande como mentor, eles organizaram uma entrada no gramado da Arena Corinthians antes do clássico contra o Palmeiras no próximo domingo (4)