Após polêmica do IPTU e Taxa do Lixo, prefeituras do ABC discutirão em fevereiro aumento da tarifa de ônibus

0

Após as polêmicas do IPTU em Ribeirão Pires e Santo André, e da Taxa do Lixo em Mauá e São Caetano do Sul, os prefeitos do ABC terão que decidir em fevereiro sobre outro  tema indigesto, o aumento da tarifa do ônibus

Na primeira reunião do Consórcio Intermunicipal para tratar do tema, o prefeito de São Bernardo do Campo e presidente da entidade, Orlando Morando (PSDB), anunciou que a tarifa não subiria em janeiro, devido as empresas não apresentarem pedido formal sobre o aumento.

 “Nenhuma das prefeituras recebeu pedido formal das concessionárias para reajustes. Não tem pedido’’,  disse Orlando Morando em coletiva.

Na ocasião o prefeito descartou o congelamento de tarifa e a disccussão sobre o aumento ficou para o mês de fevereiro.

“O congelamento eu não considero a melhor proposta porque tem de abrir planilha. Se não tiver nenhuma inflação, nenhum reajuste, você pode falar em congelamento. Mas enquanto o País ainda tiver inflação, não é próprio você tratar com este indicativo”, explicou Orlando.

A secretária-adjunta de mobilidade de Santo André, Andrea Brisida, disse, porém, que as companhias de ônibus da cidade já apresentaram pedido de aumento.

“No caso de Santo André, nós recebemos uma solicitação da associação das empresas, a AESA (Associação das Empresas de Transporte de Passageiros do Sistema de Santo André), para atualização do valor da tarifa. Nós ainda não chegamos a uma conclusão, estamos ainda refinando estes estudos. Se a gente for fazer a análise fria do custo operacional com a demanda atual de passageiros, a tarifa vai ser exorbitante. Porque historicamente a demanda de passageiros tem caído gradativamente. Isso é fato”,   disse a executiva.

Em Mauá o caso também é parecido com Santo André, a empresa responsável pelo setor já apresentou pedido de aumento de tarifa e está em análise com o prefeito, Átila Jacomussi.

O Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo do ABC, publicou em janeiro uma carta aberta informando que protocolou no dia 12 de janeiro o pedido para o reajuste da tarifa, usando como justificativa o aumento de 18% no preço do óleo diesel e no custo da mão de obra dos motoristas que tem média de R$ 3.100,00 de salário base.