O novo patriotismo é igual do ‘veio da Havan’: veste verde e amarelo, mas coloca a estátua da liberdade como símbolo de adoração

Por Samuel Boss

Desde 2013 o patriotismo no Brasil se resume a vestir verde e amarelo. Aliás, vestir a camisa da CBF que teve seu presidente preso por corrupção.

O novo patriotismo é a cara do ‘Veio da Havan” Luciano Hang, ele veste verde e amarelo, porém suas lojas imitam a arquitetura da Casa Branca (casa presidencial americana) e no pátio tem uma réplica da Estátua da Liberdade.

Patriotismo para os bolsonaristas é vestir verde amarelo e pedir a privatização dos Correios para a Amazon. É dizer “Brasil acima de tudo”, mas entregar a exploração petrolífera para os estados Unidos.

Os EUA gastaram 1,7 trilhão de dólares para poder derrubar Saddam Hussein e assumir os poços de petróleo do país. Aqui no Brasil, o custo foi quase zero, apenas um impeachment foi o custo pago pelos americanos.

Se duvidam, pense na cronologia dos fatos: setembro de 2013 Edward Snowden divulga papéis da CIA que mostra a agência americana investigando a Petrobrás. No mesmo mês a então presidente Dilma pede explicações ao então presidente americano Barack Obama sobre a espionagem, e cancela a visita aos EUA.

Coincidentemente em março de 2014, a Polícia Federal obtém provas de corrupção na Petrobrás e se inicia a operação Lava Jato.

O caso leva ao impeachment de Dilma em agosto de 2016 . Entre este processo em fevereiro de 2016, o senador José Serra (PSDB) apresenta um Projeto de Lei que modifica a partilha do pré-sal e abre a exploração para estrangeiros.

Dilma é deposta, Michel Temer assume e chama José Serra para ser ministro das Relações Exteriores . Em 2019 o Leilão de exploração se concretiza e entrega grande parte aos americanos.

No Brasil é assim, veste verde e amarelo, mas lambe botas e entrega as roupas aos americanos.