O plano ‘maquiavélico’ por trás da nomeação de Vanessa Damo no governo Atila

Por Samuel Boss

O leitor pode se assustar com título do artigo, mas o termo ‘maquiavélico’ não é jocoso ou pejorativo aqui, mas sim, um termo com uma visão positiva, que advém das estratégias de Nicolau Maquiavel, autor do livro, O Príncipe, que fala sobre conceito de estado e estratégias para se governar.

Atila demonstrou ser um bom estrategista ao nomear a ex-deputada, Vanessa Damo como secretaria de Relações Institucionais. O prefeito de Mauá não agiu de forma impulsiva e impensada; pensou, analisou, fez as contas e efetivou seu plano.

Vanessa Damo é uma jovem política que ainda mantém uma capital política grande em Mauá, mas estava escanteada, após sua separação polêmica com seu ex-marido, Junior Orosco. Atila no calor do caso preferiu agir de acordo com o ditado popular “briga de marido e mulher,ninguém mete a colher”, mas, sua neutralidade lhe trouxe perdas políticas.

Junior Orosco saiu fortalecido da situação, ganhou ainda mais poder nos arredores do Paço, construiu sua candidatura e foi inteligente em se articular de forma rápida. O prefeito de Mauá deveria mudar uma peça no tabuleiro do xadrez para voltar a ter o comando, e o fez.

O reinício

Trouxe Vanessa, e com ela todo sentimento que a envolveu nos últimos meses: uma mulher ferida, traída fragilizada, tentando se reerguer e reconstruir sua história novamente. A história de Vanessa vai de encontro com a história de milhares de mulheres da nossa cidade. Quem não se solidarizaria com uma mulher nessa situação?

Mas quero deixar claro, que Vanessa Damo não foi nomeada por um sentimento de pena, jamais! Vanessa Damo tem peso político ainda na cidade, digo apenas, que o momento da nomeação foi exato. Atila fez um gesto ao patriarca da família e dono do clã, Leonel Damo. Como diz minha mãe “quem meu filho beija, minha boca adoça”.

O ex-prefeito, Leonel Damo esperou este gesto de Atila por alguns meses, mas agora está satisfeito. A filha foi reconhecida, foi colocada novamente em lugar de destaque e já pode reconstruir sua história política na cidade.

Vanessa Damo  pode ser candidata em 2020, e Atila sabe disso. O peso eleitoral sempre esteve no sobrenome Damo, o articulador Junior Orosco vai precisar provar agora que é capaz de se eleger sem o peso do sobrenome que ele tanto defendeu.

Atila escolheu um lado. Atila preferiu o resgate de alguém injustiçado a apoiar um projeto pelo compromisso firmado antes de litígio.

Vanessa Damo volta aos holofotes político por sua própria capacidade, agora é dona de sua própria história e vai demonstrar gratidão ao prefeito de Mauá pelo gesto de reconhecimento de sua representatividade na cidade. Já Atila comemora a boa jogada que fez, e se blinda de possíveis rompimentos que esta decisão lhe trouxer.

A jogada foi digna de Maquiavel.