Exonerado 5 vezes, secretário de Felipe Augusto ganhou R$ 62 mil com rescisões

0

Por Helton Romano

Uma das marcas do Governo Felipe Augusto é a rotatividade nos cargos de primeiro escalão. Quase todas as secretarias tiveram trocas de comando, o que eleva as despesas com pessoal. Cada exoneração gera pagamento de valores rescisórios, que incluem férias proporcionais, acrescidas de um terço.

O secretário exonerado, na maioria das vezes, é acomodado em outra função. Foi o que aconteceu com Luis Carlos de Carvalho, conhecido como Luisão (à esquerda na foto). Ninguém trocou mais de cargo do que ele.

Somadas as cinco exonerações, Luisão recebeu um total de R$ 62.456,98, somente pelas rescisões.

A nomeação de Luisão como secretário de Governo foi um dos primeiros atos do prefeito, ao tomar posse, no dia 1° de janeiro de 2017. Cinco meses depois, Luisão virou assessor. No ano seguinte, ele voltou ao cargo anterior.

Em 2019, Luisão foi nomeado de novo assessor. Não chegou a completar um mês no cargo, e voltou a ser secretário, dessa vez de Planejamento. Em setembro, depois de mais uma rescisão, Luisão é nomeado pela terceira vez para o cargo de secretário de Governo, onde está até o momento.

Nos períodos em que exerceu a função de assessor, Luisão ganhou gratificações para compensar a diferença salarial. Uma das gratificações foi indevida. A chamada “verba de gabinete” é concedida a quem está vinculado ao Gabinete do Prefeito, o que não era o caso do então assessor