Biden bombardeia a Síria em pouco mais de 1 mês de governo

0
1

Os Estados Unidos bombardearam prédios em uma região no leste na Síria na quinta-feira (25). Os alvos eram instalações de milícias que recebem apoio do Irã, de acordo com os militares americanos.

Segundo as Forças Armadas dos EUA, essa ação foi uma retaliação a um ataque com míssil no Iraque no início deste mês (veja mais abaixo).

Não se sabe ao certo quantas pessoas morreram em consequência do ataque americano. As autoridades disseram que foi “um punhado” de gente, de acordo com o “New York Times”, mas os militares não fizeram um balanço da operação.

De acordo com informações preliminares do Observatório Sírio dos Direitos Humanos, os ataques destruíram três caminhões de munições que chegavam do Iraque em um posto de fronteira ilegal, na cidade síria de Abu Kamal.

Esse ataque aéreo foi a primeira ação militar do governo de Joe Biden. O presidente autorizou o bombardeio porque considerou que era necessário retaliar os inimigos pelo ataque no Iraque, e que há ameaças aos militares americanos na região, de acordo com a assessoria de imprensa das Forças Armadas dos EUA.

A Casa Branca divulgou um comunicado no qual informa que Biden discutiu o bombardeio pelo telefone com o primeiro-ministro iraquiano, Mustafa al-Kadhimi. Os dois teriam concordado que era preciso responder aos ataques do começo do mês.

“Esta resposta militar proporcional foi conduzida junto com medidas diplomáticas, incluindo consultas com parceiros da coalizão”, disse o porta-voz do Pentágono, John Kirby. Pentágono é o nome do edifício onde fica a sede das Forças Armadas dos EUA.

Fonte: G1