Alvinegro Futebol Clube (Ribeirão Pires)

Chicão eterno ALVINEGRO FC

HISTÓRIA DO FUTEBOL DE MAUÁ E RIBEIRÃO PIRES

ALVINEGRO FUTEBOL CLUBE (Ribeirão Pires)

Por Daniel Alcarria.

O Alvinegro Futebol Clube, time com sede no Jardim Caçula, foi fundado em 16 de outubro de 2006 e nasceu de uma divergência entre jogadores e diretores do rival do mesmo bairro, o EC Alve Verde. Os fundadores, com exceção do senhor Aarão, eram todos ligados ao Alve Verde.

A idéia de formar outro time no Jardim Caçula surgiu ainda em 2000, quando o Alve Verde disputou a final da 1º Divisão contra o Vila Suissa (que ficou com o título). Os zagueiros Beto e Zulu, do time verde, foram titulares durante todo o campeonato, mas para surpresa de todos, o treinador resolveu sacar os dois no dia da decisão. Inconformados com a decisão do técnico resolveram sair do time.

O motivo para não escalar os atletas no dia da final nunca foi esclarecido, mas o fato é que aquela atitude animou parte dos jogadores e da diretoria a sair do rival e montar outro time para fazer frente ao Alve Verde. Dos fundadores, saíram do EC Alve Verde para montar o Alvinegro Alcicleide Pereira Batista, Alberto Pereira Batista, Francisco Batista Neto e Denis Athila Batista dos Santos.

As primeiras reuniões do novo clube foram realizadas na sede da Sociedade Amigos de Bairro do Jardim Caçula, entidade que continha em sua diretoria membros do recém-fundado Planteucal, depois Alvinegro. Isso mesmo, o Alvinegro nasceu como Planteucal em razão de a Liga Ribeirãopirense de Futebol não permitir a criação de mais um time no Jardim Caçula (os outros são o EC Caçula, Alve Verde e o Vasquinho).

O Planteucal jogou apenas uma competição, a 3º Divisão de 2006 e a denominação foi uma maneira de “driblar” a Liga para poder jogar a competição. Planteucal é um bairro próximo do Jardim Caçula, e a verdade é que mesmo com o nome daquele bairro, o time tinha sede no Jardim Caçula. O definitivo nome de Alvinegro foi adotado em janeiro de 2007, mas a fundação considerada é a de 16 de outubro de 2006, quando surgiu como Planteucal.

O primeiro jogo do Alvinegro foi contra o Scorpions de Mauá, em 2007 e o placar de 3×3 no campo do Caçula já indicava que nascia ali um time predestinado às vitórias. Coube à Jander Augusto da Silva a honra de anotar o primeiro gol do time.

ALVINEGRO EM LUTO E O PRIMEIRO TÍTULO      

O primeiro presidente do time foi o Sr. Francisco Batista Neto, falecido em 2011. Chicão, como era conhecido carinhosamente o “seo” Francisco, era o grande incentivador do Alvinegro e seu falecimento quase provocou o fechamento do time. Foi quando os atletas Gil, Fabiano, Flavio Neizinho, Claudemir e David Alemão tomaram a dianteira da agremiação e com grande esforço resolveram manter a equipe.

O título da Segunda Divisão de 2011 foi o primeiro da recente história do Alvinegro, tendo sido o Chicão o grande motivo daquela conquista; foi um troféu motivado pela força de Francisco que não teve tempo para ver seu querido Alvinegro levantar uma taça e ascender à divisão maior do futebol de Ribeirão Pires. Festa e orgulho para o “Pantera” do Jardim Caçula, o time da família Batista presente no bairro desde 1987.

A partida final foi contra o forte time do Santa Inês e o empate de 1×1 levou a decisão para a cobrança de pênaltis. Ao final, 4×3 para o Alvinegro e o primeiro troféu de campeão para a sede do clube que havia sido inaugurada em 2009.

OS CRAQUES E OUTRAS CONQUISTAS

Além do título da Segunda Divisão de 2011, o “Pantera” do Jardim Caçula possui em seu vitorioso currículo de conquistas os vice-campeonatos da Terceira Divisão, dos Veteranos e dos Jogos da Cidade, todos em 2008. A maior conquista do Alvinegro FC foi o título da Primeira Divisão de 2013, quando na decisão venceu o Guanabara da Vila Gomes por 1×0, gol do atacante Jason. Em 2015, o “Pantera” chegou à decisão, mas perdeu o jogo final para o EC Comercial por 2×1 e ficou com o vice-campeonato. Uma curiosidade é que, apesar da “rivalidade” histórica com o Alve Verde, as equipes só se enfrentaram uma vez, quando empataram por 2×2 em 2011.

Os maiores artilheiros da curta história do Alvinegro FC foram os atacantes Zezinho e Jason; por outro lado, é considerado pelos torcedores como maior goleiro do time o Douglas Batatinha. Outros craques: Roberto, Rick, Leandro, David, Gil, Piá, Zezinho, Mexicano, Fabiano, Luan, Zulu, Beto, Flavinho, Dedé, Ricardinho, Márcio, Jander e Ivan.

Os campeões de 2013: Douglas, Flavinho, Richard, Beto, Giovane, Zulu, Castor, Maicon, Sula, Neguinho, Valtinho, David, Willian, Zinho, Leozinho, Jason, Cássio, Kairo, Zica, Damião, Sandro e Dida.

Passaram pelo Alvinegro e jogaram no futebol profissional os atletas Zica (Rio Verde de Goiás), Zulu (Grêmio Mauaense e Santo André), Rangel (São Caetano e Grêmio/RS), Flavinho (Standard Liége/ Bélgica, campeão Belga de 2009) e o Cássio, que atuou pelo Paraná Clube e pelo América de São José do Rio Preto.

DIRETORIA E TORCIDA

            A diretoria atual do Alvinegro é composta por Denis Athila Batista dos Santos, Presidente; Alberto Pereira Batista, Diretor; Alex Pereira Batista, Diretor; Francisco Delmonte, Diretor e José Roberto Diniz, Diretor. Mesmo sendo um clube fundado recentemente, o Alvinegro constituiu-se como um grande campeão e possui uma apaixonada torcida. O primeiro agrupamento de torcedores foi a “Fúria Alvinegra”, extinta, seguida pela “Império Alvinegro”, fundada em 2014 e que tem como presidente Isaque Silva Soares. A torcida tem ao menos 60 componentes entre amigos e familiares dos jogadores, o que caracteriza o Alvinegro como um time de família. O time da família Batista e da família futebol. O “Pantera Negra” que representa a garra, união e supremacia.