Morrissey de ídolo do pós-punk nos anos 80 para um reacionário xenofóbico

Ex-Smiths é favorável ao partido de extrema-direita britânico e contra imigrantes no Reino Unido.

Mostrando abertamente seu apoio ao partido de extrema direita For Britain, Morrissey tem enfrentado boicotes e diversas críticas de fãs, críticos e imprensa.
Além de criticar o jornal The Guardian em seu site, o músico ainda reclamou da situação política da Grã-Bretanha, e agradeceu aos fãs pelo apoio que teve ao lançar California Son, seu novo disco, há pouco mais de uma semana.
“Por causa da exaustiva campanha de ódio movida contra mim pelo The Guardian e seus seguidores, fico feliz com a posição de California Son nas paradas do Reino Unido. Vale a pena prestar atenção no fato de que o principal antagonista nesta Campanha de Ódio é alguem que processei há anos por escrever mentiras sobre mim. Ele perdeu o processo, e agora busca vingança pessoal usando o jornal, que tem assediado todo mundo que tem contato com minha música, implorando para que eles digam algo terrível sobre mim para poderem divulgar”, escreveu.
“Isso é a cara da Britânica Soviética. Por favor, não comprem esse jornal de ódio, em que cada chamada em 2019 ecoa as palavras da falecida Mary Whitehouse [ativista britânica]. Porque essa é a voz de tudo que tem de ruim e triste na nova Bretanha”, completou.

Desabafo de um fã

Como fã e considerando The Smiths a melhor banda dos anos 80, “pais do Indie”, dói escrever sobre aquele que já foi meu maior ídolo nas artes, porém não podemos deixar de mostrar que infelizmente mais um rockeiro se desvirtuou do pensamento do rock que é ser subversivo e não deixar que as injustiças tomem conta do mundo.
Morrissey do que adianta não comer carne, defender os animais, mas ser contra imigrantes e todos aqueles que pensam diferente de você?