Ministério Público investiga MC Mirella por suposto tráfico internacional de menores para fins sexuais

O Ministério Público Federal (MPF) instaurou uma investigação sobre a participação da funkeira MC Mirella em suposta prática de tráfico internacional de crianças e adolescentes para fins sexuais. Há cerca de uma semana, no último sábado, uma jovem de 17 anos relatou, nas redes sociais, uma suposta conversa com a cantora, que teria ocorrido em novembro de 2017, quando ela ainda tinha 16 anos. No diálogo, Mirella teria oferecido até R$ 5 mil para que a adolescente passasse um final de semana “com um amigo”, identificado como um empresário do Paraguai. A artista, de 21 anos, com mais de 10 milhões de seguidores no Instagram, classificou as acusações como “um absurdo”, mas confirmou a existência da conversa.

Ao determinar a instauração de uma “notícia fato”, o procurador da República Wesley Miranda Alves frisou ter sido informado sobre o caso pelas próprias redes sociais, por onde recebeu “vídeos e mensagens postados por uma das supostas vítimas”. O procurador, porém, solicitou, no documento, que o caso fosse remetido à Procuradoria da República no Município (PRM) de Foz de Iguaçu, no Paraná, onde mora a jovem que fez a denúncia.

A jovem, cuja identidade foi preservada, afirma ter sido abordada pela cantora na época do suposto diálogo. Nas imagens expostas, Mirella inicia uma conversa com a adolescente oferecendo R$ 2 mil e passagens de ida e volta, além de “despesas” necessárias, para passar um final de semana saindo “com um amigo”.

Após a conversa viralizar nas redes sociais, a jovem pediu que não utilizassem a imagem dela e chegou a desativar a conta na rede social. Em vídeo, a adolescente também relatou que o mesmo homem já tinha a abordado anteriormente, oferecendo quantias “estranhas” para o número de seguidores que ela tinha à época. Ela também acusa a funkeira de receber algo para vendê-la.

Divulgação: Jornal Extra