Agenda de Mourão revela que empresariado prepara o vice para ‘assumir o país’

Por Samuel Boss

Diferentemente do presidente, Jair Bolsonaro (sem partido), o vice-presidente, General Hamilton Mourão (PRTB) – que não tem cargo no governo, a não ser a expectativa- tem conduzido sua agenda com a elite que conduz a política brasileira: o empresariado.

Enquanto Bolsonaro lota sua agenda em cerimônias militares, entregas de medalha e atendimento a deputados de sua base, Mourão tem percorrido o país falando ao setor produtivo do Brasil; empresários, sindicatos patronais, federações industriais e responsáveis pelo varejo: a classe que comanda a linha política do país.

Quando a ex-presidente Dilma conduziu de forma trágica sua política econômica, os mesmo atores que hoje convidam Mourão para palestras, na época, recebiam o vice Michel Temer. Não passou muito tempo para que o impeachment virasse realidade e recebesse o apoio institucional de federações empresariais como a Fiesp.

Mourão em seu twitter posta momentos com o empresariado brasileiro. A percepção é única, o mercado precisa ter confiança no vice de um presidente completamente desequilibrado e sem uma política clara econômica. Bolsonaro depende de Guedes, Mourão demonstra não depender de um nome, ele seria o nome, ele teria uma compreensão de mercado que Bolsonaro não tem.

Com a relação tensa entre o presidente e o Congresso, com biografias de parlamentares execradas pelos seguidores de Bolsonaro na internet- a chance de Bolsonaro não terminar o mandato é grande. Os empresários já entenderam que Bolsonaro é destemperado e despreparado, e por isso apostam no cargo de expectativa, General Hamilton Mourão.