Editor da ISTOÉ é demitido, por WhatsApp, porque ficou em casa devido a gripe, diz Fenaj

(Imagem: Divulgação)

Na última sexta-feira (13), o editor de cultura da revista semanal ISTOÉ, Luís Antônio Giron, que estava em home office por conta de uma grave crise de infecção das vias respiratórias, conforme atestado médico, foi demitido pelo diretor de redação da revista, Germano Oliveira pelo aplicativo de mensagens WhatsApp. A informação foi divulgada pela Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) na manhã desta quinta-feira (19).

Editor de Cultura de ISTOÉ havia três anos, Giron se afastou do dia a dia da redação na última semana para proteger os colegas duas semanas depois de ter voltado de Dubai, onde estava a trabalho – e continuou fazendo o seu trabalho de casa. “Para não comprometer a saúde das pessoas, expondo os colegas a riscos, não compareci à redação e justifiquei a minha ausência. Fiquei com medo de ter sido contaminado e contagiar as pessoas no ambiente fechado da redação”, afirmou.