Parque Escola vira Escola de Educação Ambiental Tangará

0

Área de 50 mil m2 no Valparaíso, o antigo Parque Escola muda de nome e reforça sua vocação como laboratório pedagógico a céu aberto

 

 

educacaoambientalO Parque Escola de Santo André, espaço de 50 mil m2 voltados para educação sobre o meio ambiente, sustentabilidade e preservação acaba de se tornar a Escola Municipal de Educação Ambiental Parque Tangará através da lei nº 9.899, que foi publicada em jornal oficial após ser sancionada pelo prefeito Carlos Grana, no dia 9 de dezembro.

“A criação desta escola é mais um passo da Secretaria da Educação de Santo André no sentido de garantir que a educação ambiental faça parte do currículo escolar. Os projetos desenvolvidos têm no espaço do Parque um grande laboratório de infinitas possibilidades”, destacou o secretário de Educação, Gilmar Silvério. “A instalação de biblioteca, videoteca, exposições temática, eco-brinquedoteca, encontros e seminários, mostras culturais, cursos de capacitação de professores, são alguns exemplos da viabilidade deste local”, concluiu Silvério.

Para Silvério, “a Escola visa a integrar unidades escolares, universidades e outros segmentos da sociedade que compartilhem o mesmo interesse na construção de uma consciência coletiva em que o objetivo seja a preservação do meio ambiente, com um conjunto de ações capazes de promover um modo de pensar e viver de forma  sustentável.  Além disso, a implantação da Escola possibilitará organizar, com tecnologia avançada e dentro de um espaço pensado para esse fim, um banco de dados presencial e virtual que se torne referência para todos os interessados na área ambiental, bem como para os mais diversos públicos”.

Outra missão da nova Escola Municipal de Educação Ambiental Parque Tangará, de acordo com o coordenador Marcelo Marton, é tornar-se um ponto de convergência local e regional de informações no campo do meio ambiente e Educação Ambiental. “Para tanto, o equipamento reunirá, sistematizará e disponibilizará informação relevante para o educador ambiental e para o público interessado, como informação bibliográfica, iconográfica, visual, tanto a existente no município quanto no ambiente externo, real e virtual’, acrescentou.