Indefinição de Carla Morando reflete nos vereadores tucanos de Santo André

Pré-candidatura de Carla Morando pode rachar tucanato andreense

A indefinição da candidatura da esposa do prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando (PSDB), a primeira dama, Carla Morando (PSDB), tem refletido na Câmara de Santo André. Vereadores tucanos ligados a Morando esperam uma definição para poderem declarar o apoio ou não ao projeto.

O vereador Fumassa (PSDB) tem uma ligação forte com Orlando, desde o período eleitoral,  e foi procurado pelo único candidato do partido em Santo André, professor Minhoca, porém seu antigo compromisso o impediu de fechar apoio com seu correligionário e colega de Câmara. Recentemente o vereador fez agenda ao lado de Fabio Palacio, o que gerou estranheza no tucanato.

O caso do líder do Governo, Pedrinho Botaro é diferente. Botaro é ligado ao grupo do prefeito de São Paulo, Bruno Covas e aguarda posicionamento do prefeito para decidir se apoia ou não a esposa de Orlando.

André Scarpino é ligado ao deputado Carlos Bezerra Jr.(PSDB), atual deputado estadual que pleiteará uma vaga a federal, há chances de Scarpino ajudar a candidatura do professor Minhoca.

Já o secretário de esportes, Marcelo Chehade, tinha colocado seu nome para a disputa a estadual, mas desistiu para continuar o trabalho na secretaria. Algumas lideranças ligadas a Chehade estão apoiando a candidatura do vereador de Santo André, professor Minhoca, porém, com a definição de Carla, Marcelo vai declarar o apoio a primeira dama de São Bernardo do Campo.

UNIDADE

Em Abril  o professor Minhoca realizou um um jantar  com a presença do prefeito Paulo Serra, Chehade e os demais vereadores do PSDB para tratar da pré-candidatura do professor vereador, e segundo informações, Paulinho Serra pediu empenho das lideranças do partido  em torno do projeto. Mas a indefinição de Carla Orlando pode rachar  tucanato de Santo André, e dividir o apoio em torno de duas candidaturas.