Governo terá muitos candidatos em 2018, mas Paulo Serra não apoiará nenhum

Por 

Samuel Boss

O governo de Santo André liderado pelo prefeito, Paulo Serra (PSDB), terá muitos candidatos a deputado estadual e federal, porém o chefe do executivo tende a não apoiar nenhum, afinal, ele não vai querer alimentar nenhum  monstro ou provável adversário em 2020, ano de sua reeleição.

Dentro do executivo temos como pré-candidato, o secretário de Segurança, Edson Sardano (PTB); o secretário de Esportes, Marcelo Chehade (PSDB), o secretário de Meio Ambiente, Donizeti Pereira (PV) e o secretário de Desenvolvimento econômico Ailton Lima (provavelmente sairá pelo PR). Já na Câmara o presidente do legislativo, Amilr Cicote (PSB), buscará uma vaga na Alesp e há quem diga que o vereador  Jobert Minhoca (PSDB) poderia se enveredar numa candidatura.

O fato é que nenhum destes nomes faz parte do grupo político do prefeito. Na verdade o grupo do prefeito Paulo Serra é restrito e enxuto, no máximo cinco pessoas entre elas Petrin e Bianchin. Se há um candidato ligado ao prefeito, este não faz parte da cidade, o secretário-executivo do Consórcio, Fábio Palácio (PR), tem muito mais apreço de Paulinho do que qualquer um destes nomes da cidade. Afinal, Palácio fazia parte daquele grupinho fechado liderado por Orlando Morando que contava com: Paulo Serra, Kiko Teixeira, Fabio Palácio e Gabriel Maranhão.

Paulinho vai consentir com todas as candidaturas, mas no fim, não apoiará nenhuma. Não fará o minimo esforço para que qualquer um destes nomes se eleja, aliás, ele vai torcer para que nenhum consiga o feito de ser eleito. O raciocínio é bem claro; |”se nenhum nome faz parte do meu grupo político, logo, nenhum deles terá compromisso comigo”, caso o nome de Pulinho se fragilize por algum motivo antes das eleições. Paulo Serra não quer criar um monstro e se arriscar a ser engolido por ele, afinal, a política é dinâmica, os amigos de hoje poderão ser os inimigos de amanhã.

Provavelmente veremos alguns destes nomes (caso a candidatura se confirme), bem desapontado como governo tucanos, haverá chororô após as eleições, talvez rompimentos, palavras do tipo “o governo não me ajudou como prometeu”, “fiquei esperando a ajuda que me prometeram e no fim, fiquei sozinho”… Enfim, o fato é que para os pré-candidatos, só resta a sinceridade de saber, faça sua correria, pois, do governo a única coisa que você terá será: “Boa sorte!”

Não se espante se os andreenses virem placas bonitas de Fábio Palácio pelas cidades, não se espante se no período de eleição as manchetes de jornal conterem crítica ao prefeito por parte dos candidatos da cidade.

Orlando Morando fará a mesma coisa, porém,  não vou fazer uma analise do prefeito de São Bernardo do Campo, este site não suporta o peso do ego de Morando. Precisaria contratar terabytes de armazenamento para explicar tamanho narcisismo.

Por fim, Paulo Serra me surpreende com sua inteligência com a qual tem tocado seu governo, até mesmo a ideia de dar corda para seus pré-candidatos, mesmo que lá na frente todos se enforquem com ela. Paulo Serra tem sido coerente em sua estratégia, e no lugar dele, eu faria o mesmo.