Ex-secretário de Segurança de S. André comenta sobre mandado coletivo no RJ

O ex-secretário de Segurança de Santo André, vereador, Coronel Edson Sardano (PTB), comentou sobre os mandados de segurança coletivo no estado do Rio de Janeiro, na sua última entrevista ao RDTV (02/02)  do jornal Repórter Diário. Aos jornalistas, Samuel Boss e Carlos Carvalho, Sardano salientou a importância da medida.

“Uma juíza substituta num plantão deu um mandado de busca coletivo para um determinado morro, mas Defensoria Pública, paga e muito bem paga pelos contribuintes , entrou na justiça protestando e cancelaram. Como que você vai encontrar as armas do tráfico se não revistar casa por casa?”,  falou Sardano.

“O traficante vai esconder as armas aonde? Na casa de homem honesto. O traficante vai dizer, [guarda essas armas se não você morre], quantas armas estão apreendendo no Rio de Janeiro? Um, dois, três no máximo”, justificou.

Para Sardano o  mandado coletivo é para preservar o cidadão e não ferir seus direitos. “Como essa juíza corajosa fez: Mandado Coletivo, podem até questionar que é uma agressão as pessoas, mas essas pessoas estão sendo agredidas em sua dignidade todos os dias, devido a ocupação dos morros por traficantes”, explicou Sardano.

“É preciso revistar casa por casa, se a Defensoria Pública quiser investigar abusos, que vá junto. A polícia sai de lá com seis, sete, dez mil fuzis. A justiça precisa acordar para a realidade”, concluiu.