Artigo: O que queremos é água boa e na torneira

0
2

Por Paulo Serra

No dia 07/5, encaminhamos à Câmara Municipal um projeto de lei que autoriza a Prefeitura de Santo André celebrar convênio com o governo do Estado e a Sabesp. Bastou isso para que alguns gritassem: ‘Estão entregando o Semasa!’ E esta falsa informação atende a apenas dois grupos de interesse.

O primeiro, de origem ideológica da esquerda socialista, não admite que o poder público diminua o seu tamanho, ainda que determinado serviço não seja prestado adequadamente. Para este grupo político, a privatização das telecomunicações e uma futura venda dos Correios, por exemplo, são considerados crime de lesa-pátria. Ainda que eu respeite as pessoas que sustentam tal ideologia, acredito que ela já está totalmente ultrapassada.

Já o segundo grupo, menos republicano, tem olhar exclusivamente oportunista e eleitoreiro e, definitivamente, não quer que a cidade resolva dívida histórica e o problema crônico de falta de água e da falta de investimentos na rede de abastecimento. Para estes, o que importa é só a próxima eleição. E a interseção destes dois grupos, infelizmente, resulta em lamentáveis fake news.

Mas, com a transparência de sempre e a coragem para continuar ‘arrumando a casa’, vamos explicar do que se trata essa medida para quem realmente interessa: a nossa gente de Santo André. Infelizmente a nossa cidade não tem condições financeiras de investir na sua rede de distribuição de água. Temos hoje uma dívida bilionária com a Sabesp, que foi se acumulando irresponsavelmente por gestões anteriores. Só pela Justiça, já foi reconhecida uma dívida de R$ 1,4 bilhão e outros R$ 2 bilhões terão, em breve, o mesmo destino.

E a ausência de recursos, somada a essa monstruosa dívida, resulta na escassez e na baixa qualidade da água que consumimos. Assim, ao enviarmos este projeto de lei, demos o primeiro e importante passo para resolvermos este problema de décadas, pois o que foi solicitado à Câmara é apenas uma autorização para que a cidade compartilhe o serviço de saneamento com a Sabesp.

Após a sua aprovação, as propostas e os acordos concretamente serão debatidos com toda a cidade, por meio de consultas e audiências públicas. Deste modo, para o desespero daqueles que pregam o ‘quanto pior, melhor’, temos a seguinte notícia: o Semasa não vai acabar!

Afinal, o Semasa não é só água e esgoto. A autarquia, através de uma grande equipe de comprometidos servidores, é também responsável por coleta de lixo, licenciamento ambiental, Moeda Verde, drenagem, varrição, políticas ambientais, entre outros serviços com alto padrão de qualidade, que serão mantidos e continuarão sendo de responsabilidade do município. Assim, também já esclarecemos: não haverá nenhuma demissão.

O nosso compromisso é com o futuro da cidade. É água na torneira de todas as famílias, de forma definitiva, e com a qualidade que a nossa gente merece. É o fim de uma dívida bilionária e que propiciará a recuperação na capacidade de investimentos na cidade e na modernização da nossa rede de distribuição de água, com 100% de esgoto tratado.

E, para isso, queremos que o Semasa continue com a sua verdadeira missão: a melhoria da qualidade de vida dos andreenses.

Paulo Serra é prefeito de Santo André.

Os artigos publicados no site não representam a nossa opinião.