Mais Médicos: Governo Federal retira 10 dos 11 médicos de Rio Grande da Serra

Com a articulação do Secretário de Administração de Rio Grande da Serra, Claurício Bento, o prefeito da cidade, Gabriel Maranhão se reuniu na última semana, 24 de abril, com representantes no Ministério de Saúde para solicitar o cadastramento da cidade novamente no Programa Mais Médicos.

Além do prefeito Maranhão, do secretário Claurício Bento, os vereadores Maciel (MDB), Bibinho (PSDB), Marcelo (PT) e Claudinho Monteiro (PSB) acompanharam as articulações em Brasília – DF.

De acordo com Claurício Bento, o Governo Federal desligou a cidade do Programa e com isso, reduziu de 11 médicos para apenas um médico atuar na cidade.

“A população foi prejudicada, mas nossa gestão municipal está empenhada para garantir o direito de atendimento à população”, explicou o secretário que deverá também articular com o Consórcio Intermunicipal do ABC a retomada do Mais Médicos na cidade.

O prefeito Gabriel Maranhão disse que Rio Grande da Serra foi penalizada, mas que buscará alternativas para suprir a demanda.

“Vamos tentar buscar uma solução via Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, ou até mesmo apertarmos as contas para contratarmos via contrato emergencial, mas iremos lutar pela saúde da nossa cidade”, disse.

O presidente da Câmara, Claudinho Monteiro foi enfático em dizer que a agenda do novo governo é acabar com o programa.

“Essa é a  agenda deste governo, é o programa menos médicos”

A Secretaria de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde informou que Rio Grande da Serra não será contemplada no próximo edital do programa Mais Médicos por fazer parte da categoria 3, municípios que ficam na região metropolitana. O governo dará prioridade para cidades de categoria 4 à 8.

Marcelo Cabeleireiro cobrou da coordenação do programa uma ação paliativa para solucionar um problema.

“Nós entendemos que não seremos mais contemplados, mas o governo não tem uma medida paliativa para ajudar nosso município?”, questionou o vereador.

O governo também não garantiu nenhum ação paliativa para ajudar o município no déficit de médicos.