Ribeirão Pires amplia parceria com Instituto Ayrton Senna para alfabetização de estudantes da rede municipal

0

 

Por meio de ação conjunta, cidade triplicou o número de crianças que participam de projeto de desenvolvimento no ensino

 A parceria entre a Prefeitura e o Instituto Ayrton Senna para a implantação da “Gestão da Política de Alfabetização”, retomada em 2017, foi triplicada e atenderá, neste ano, cerca de 1.400 estudantes matriculados do primeiro ao terceiro ano da rede municipal.

O programa, promovido em parceria gratuita, alia os métodos de alfabetização das escolas participantes à implantação de nova cultura de gestão do ensino. Nove unidades que contam com salas do Ensino Fundamental I na rede de Ribeirão integram esta ação, que estabelece, ainda, o uso de ferramentas de monitoramento e de avaliação da aprendizagem.

“Os resultados da implantação desta nova Política de Alfabetização foi tão positivo que o Instituto Ayrton Senna ampliou a parceria com Ribeirão Pires. Agora, além dos estudantes do terceiro ano, atenderemos também as crianças dos primeiros e segundos anos. Com isso, ampliamos o número de alunos que estão tendo o desenvolvimento da leitura e da escrita acompanhados de pertinho, atendendo, inclusive, ao nosso compromisso com a Alfabetização da Idade Certa”, avaliou a secretária de Educação, Inclusão, Cultura e Tecnologia da cidade, Flávia Banwart.

Em 2017, a Prefeitura aderiu ao Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC). Trata-se de acordo formal assumido pelo Governo Federal, estados, municípios e entidades para firmar o compromisso de que todas as crianças estejam alfabetizadas até os oito anos de idade, ao final do 3º ano do Ensino Fundamental I.

No último ano, profissionais da rede municipal de Ribeirão Pires participaram das formações oferecidas pela Prefeitura, entre professores da educação infantil, ensino fundamental, coordenadores e formadores alfabetizadores. Mais de 4.300 estudantes do Fundamental I e da Educação Infantil foram diretamente beneficiados com as atividades.

Entre outras ferramentas, por meio da “Gestão da Política de Alfabetização” os professores, além de receberem qualificação, contam com um “caderno de acompanhamento”, material estruturado para que o educador faça registros sobre a evolução de cada um dos estudantes, incluindo o plano de aulas semanal e dados sobre resultados das avaliações, perfil dos estudantes, e observações específicas sobre leitura e escrita.