Festival do Chocolate: Quanto custou a publicidade em jornais? Prefeitura não responde

0

Por Samuel Boss

Qual foi o custo do Festival do Chocolate com publicidade em jornais?

Esta foi uma das questões enviadas por mim há mais de duas semanas à prefeitura de Ribeirão Pires – responsável pelo pagamento dos anúncios nos periódicos regionais- porém, até o momento não obtive resposta alguma.

Meu questionamento foi específico também, qual foi o valor pago por jornal, seja ele da cidade ou da região?

Qual o meu intuito ao mexer neste vespeiro?

Bom, é bem simples, os jornais da cidade sobrevivem de pequenos anúncios de comércios que custa em média R$ 300,00 (trezentos Reais), dependendo do tamanho. Este também é o valor médio cobrado para que os vereadores  coloquem suas matérias sobre requerimentos, tapa buraco, foto com o prefeito, felicitações de dia da mães, pais e etc.

Caso um comércio ou empresa pretenda anunciar numa página inteira, o valor médio gira em torno de R$1.000,00  dependendo da negociação e da edição do jornal. A grande questão é quanto a prefeitura paga por uma página  num jornal da cidade? Afinal, os jornais da cidade, só cobre o município, os regionais abrangem as demais cidades do ABC, e seus valores de fato, são maiores.

Será que a prefeitura paga o valor de tabela, ou o preço para o poder público é superfaturado?

A resposta não veio.

Talvez haja uma certa vergonha de mostrar que o dinheiro público tá sendo gasto em folha de papel em jornais que dizem imprimir 10 mil exemplares, mas imprimem apenas 5 mil, dependendo do caixa. Ou talvez ficará evidente quem são os amigos do rei. O valor do anúncio deixará claro que além da publicidade do Festival, há por traz uma compensação política por fazer parte da tropa de choque do governo.

A pergunta foi feita de forma oficial,   a resposta foi nenhuma e a conclusão neste caso é livre. Podemos interpretar da forma que bem entendemos, pois não temos números, não temos dados, então só nos resta a suspeita.

O mais engraçado é que a situação acontece com aqueles que dizem defender a transparência e tem como principio publicar os fatos.

Trágico!