Marcelo Cabeleireiro faz balanço de Mandato e fala sobre seu futuro partidário

Após dois anos e cinco meses de mandato, o vereador, Marcelo Cabeleireiro fala em entrevista exclusiva sobre sua atuação na cidade, as conquistas do mandato e seu futuro partidário.

De acordo com o vereador, sua expulsão do PT – Partido dos Trabalhadores- foi consequência de uma “ditadura executiva”.

BP- Qual é o balanço que você faz nestes dois anos e meio de mandato?

MC- Neste tempo decorrido, aprendi muito com todo o processo político para realizar alguns serviços e obras. Aprendi as formas corretas de negociar os pedidos para as secretarias e principalmente, aprendi que uma oposição radical (ou seja ser contra tudo que vem para ser apreciado e votado apenas por ser oposição), acaba por prejudicar a população que é quem realmente merece a atenção da casa legislativa . Neste período consegui resolver várias situações que a tempos se arrastavam em alguns bairros de nossa cidade.

BP- O que você considera sua principal conquista como vereador?

MC- Dentre as diversas indicações de obras e reparos, posso destacar a iluminação de varias ruas e vielas que a muitos anos vivia às escuras e que hoje a segurança e qualidade de vida para os moradores da Santa Tereza.

Visita à Brasília 

O fomento do esporte na cidade através do ciclismo com vários eventos importantes no esporte hoje estou trabalhando para o crescimento de outros esportes.
A busca de emendas para tentar suprir a carência orçamentária da cidade no primeiro ano do meu mandato e que agora estamos colhendo os frutos como por exemplo 3 ambulâncias, equipamentos odontológicos (que conseguimos com nossa ida à Brasília) e agora R$3 milhões de  emenda que o Deputado Alex Manente mandou para ser investido na secretaria de Saúde do município. Além do Cepeamento por logradouros ou seja nossa cidade terá o CEP por ruas que era também um grande problema que a muitos anos tentavam resolver mas que nunca era resolvido e agora conseguimos.

BP- Durante o mandato você teve uma indisposição com PT, o que de fato aconteceu?

Evento solidário de ciclismo

MC- Por ter opinião própria e votar de acordo com minha consciência e de um grupo de pessoas que converso a respeito de cada situação. Acabei desagradando alguns membros da executiva municipal que tentaram controlar o mandato e acabaram por decidir pela minha expulsão do partido sem ao menos ter sido ouvido ou participado das reuniões que chegaram a essa decisão.
Fiz a minha defesa e encaminhei a executiva estadual onde até o momento não houve decisão ou julgamento ou, no mínimo uma comunicação deles. Pelo que tenho ciência até o momento estou sem partido por ter sido expulso pela executiva municipal.

BP- Você pretende ficar na sigla?

MC- Acredito que o clima não se faz mais agradável para nenhum dos lados para essa permanência. O posicionamento por parte deles em me expulsar e antes disso, deixar de me notificar ou avisar quando recebíamos visitas de deputados na cidade, deixa claro que quando você discorda de um posicionamento você não serve para o partido e não posso participar de “ditadura executiva”.

BP- O que você projeta para o teu futuro político?

Com o deputado Alex Manente

MC- Estou terminando meus estudos na área de Gestão Publica e pretendo reeleger-me vereador, continuando meu trabalho com a mesma seriedade e empenho que tenho feito, fui eleito por pessoas que em mim confiaram par representá-las e quero fazer jus a essa oportunidade de prosseguir neste intuito. Independente de partido político, sempre tentei somar,  mas, infelizmente nem sempre  aquele que você recebe na sua casa, senta a sua mesa e participa da sua convivência familiar, está sendo sincero e honesto com você, e eu senti isso na pele.